was successfully added to your cart.

Qual a diferença entre espiritualidade e religião?

Religiao e Espiritualidade

Entendemos por “religião” um conjunto de crenças, valores, estilo de vida e práticas devocionais que é regida sob um nome e uma figura institucional. Os costumes e regras são os mais variados: alguns são vegetarianos, outros não comem a noite, alguns tem o compromisso de disseminar sua filosofia e outros fazem voto de silêncio, para uns imagens são sagradas e para outros locais são sagrados e cada um em sua própria língua atribui um nome a Deus. Cada religião possui uma bandeira, uma proposta filosófica e um conjunto de regras que tem como origem um contexto sócio-cultural.

O grupo de pessoas que se coloca separado da classificação religiosa, embora possua também crenças, valores e alguma forma devocional, pratica o que se chama de “espiritualidade”. Os espiritualizados, por assim dizer, são apenas pessoas que não se declaram parte de nenhum grupo religioso específico, mas possuem sua própria prática religiosa, expressão de tudo aquilo que elas já viram e sentem, enquanto outras pegam carona nas práticas religiosas disponíveis na sua comunidade.

Afinal de contas qual a diferença entre espiritualidade e religião?

Apesar de termos esse senso comum sobre o que é religião e o que é ser espiritualizado, a tradição védica não adota essa mesma perspectiva. Ela separa as pessoas quanto a abertura mental e quanto a proposta filosófica que a pessoa adota na sua vida.

A abertura mental se refere disponibilidade do indivíduo para questionar sua vida e discutir racionalmente certos temas como: Deus, a morte, os valores morais, o objetivo da vida e etc. Infelizmente, é comum termos dificuldade de conversar sobre esses temas, seja pelo trauma religioso coletivo que vivemos, já que estamos a todo momento sendo bombardeados por tentativas de conversão, ou pela própria doutrinação religiosa onde estamos inseridos, que pode condicionar a mente ao “não pensar”.

Essa repulsa natural ao discurso religioso é caracterizado por diversos argumentos categóricos, como se a religião ou a espiritualidade fossem apenas mais uma invenção capitalista de controle, “para o rico ganhar em cima do pobre”. Esse tipo de reducionismo é uma análise superficial e acaba sendo um obstáculo para quem deseja entender mais sobre si, pois, a verdade é que de fato, ninguém pode viver independente de uma estrutura filosófica, esses temas fazem parte da vida e vão estar sempre presentes de uma maneira ou de outra.

Assim, a abertura mental é estar disposto a escutar com sinceridade, dando o benefício da dúvida, com a humildade de um aluno, com uma mente discriminativa e objetiva, como um bom cientista. O cientista usa a lógica para refletir sobre os temas da sua experiência. Já o devoto, seja ele “religioso ou espiritualizado” usa sua mente para refletir sobre assuntos que vão além da experiência cotidiana, cuja fonte de conhecimento são os “textos sagrados ou algum tipo de revelação”.

Quanto a proposta filosófica as pessoas se dividem em 2 grupos. O primeiro grupo sustenta a idéia que a solução para o indivíduo envolve a sua viagem para um lugar melhor, ou algum tipo de transformação metafísica e o segundo grupo adere a idéia de que nós já temos, no momento presente, todos os ingredientes necessários para ser uma pessoa feliz e completa.

Se a solução para felicidade fosse ir para um outro lugar com mais conforto, essa proposta não seria diferente do pensamento materialista comum de “sair para tirar umas férias”. Apesar de ser uma boa proposta ela não se sustenta, pois, por mais que o lugar seja bonito, com música e dança, sem velhice, sem mosquitos e tudo mais que podemos imaginar, é a mesma pessoa insegura, arrogante, impaciente, com seus medos e obsessões que vai estar lá. E, vai arrumar confusão, sentir ciúme e brigar pelo assento mais próximo de “Deus” na mesa de jantar.

Por outro lado, uma pessoa segura, humilde, paciente, com uma mente emocionalmente saudável, não precisa de paraíso e com certeza vive bem por aqui. Assim, mesmo que o nosso objetivo fosse ir para algum espécie lugar ideal e paradisíaco, se tornar uma pessoa simples e equilibrada seria condição necessária para desfrutar das belezas desse novo lugar, o que não nos deixa opção.

Então, quanto a proposta filosófica, para o primeiro grupo o caminho espiritual é externo, onde a solução da felicidade é viajar para algum lugar ou se transformar, adquirindo algumas capacidades, e para o segundo, o caminho é interno para conhecer qual a realidade desse indivíduo que potencialmente já é feliz.

Dessa maneira, os Vedas estabelecem 3 grupos de pessoas:

  1. O primeiro que é fechado para qualquer discussão racional sobre o assunto religioso.
  2. O segundo que acredita que a solução da vida humana é ir para algum lugar mais confortável no pós-morte.
  3. O terceiro que entende que ser capaz de ser feliz no momento presente não é realmente uma escolha, mas a única hipótese que pode realmente fazer a diferença.

Com esse objetivo de “descobrir a pessoa simples e feliz, que cada um já é”, os Vedas não consideram relevante a distinção entre práticas religiosas e afirmam que Deus, estando em todo lugar, vai abençoar o indivíduo na forma escolhida por ele. E assim, a atitude devocional, a sinceridade, os valores como ser humano são o que realmente importa, pois, conduzem o indivíduo para mais perto dessa pessoa simples e feliz, e não, o grupo que estamos inseridos ou o nome que damos para Deus. O próprio hinduísmo, religião que acompanha a tradição védica, possui uma série de ceitas, cultos e tradições religiosas independentes e distintas entre si, que vivem em relativa harmonia e considera conversão religiosa um ato de violência desnecessária.

Como é fácil dizer que essa pessoa simples e feliz não existe, devemos lembrar que ela não está tão distante, encontramos com ela de vez em quando.

“…Quando mandamos sms para pessoa errada,

no sorriso inocente de uma criança,

na risada que antecede o final da piada,

na visão da pessoa amada ou só na lembrança;

Na solução dos problemas de matemática,

no intervalo entre estrofes, onde só se escuta o som pandeiro,

Eu sou a pessoa feliz, paciente, alegre e simpática

Sou o amor que eu sinto pelo mundo inteiro! …”

Se apesar dos seus instintos o leão consegue, nós podemos pelo menos tentar!

http://www.youtube.com/watch?v=bicIwwQhNtc?rel=0

 EBOOK Yoga vedanta


8 Comments

Leave a Reply

Satsanga Online | Vedanta Yoga Meditação e Mantras | por Jonas Masetti located at Rua Eng Alfredo Modrach 122 Lanranjeiras , Rio de Janeiro, RJ . Reviewed by 500238 leitores rated: 5 / 5

Namaste!
Você não vai querer
ficar fora dessa!

Depois que o facebook limitou as visualizações para apenas 10% das comunidades, o EMAIL É A ÚNICA FORMA de você ficar por dentro e usufruir dos benefícios desse conhecimento. JUNTE-SE A NÓS e receba todos nosso artigos por email semanalmente.

Respeitamos sua privacidade